Arquivo da categoria: Regiona Sudeste

CONTRA OS TROTES MACHISTAS!

CONTRA OS TROTES MACHISTAS!

04 de março de 2013.

Na tarde de terça-feira, cerca de 40 manifestantes protestavam contra a realização do “concurso de beleza” intitulado “Miss bixete”. A manifestação era pacífica, pois contava apenas com batuques e palavras de ordem de cunho feminista. Durante a manifestação participantes do concurso, calouros, veteranos de diversos cursos proferiram comentários agressivos e homofóbicos e alguns deles tiraram suas roupas, satirizando a manifestação do grupo feminista.
Devido ao ocorrido, as Mulheres da ANECS (Articulação Nacional dos Estudantes de Ciências Sociais), REPUDIA tal atitude e o concurso “Miss bixete”. REPUDIAMOS esse concurso pois ele está fundamentado no machismo, constrange calouras, reproduz a idéia de que a mulher é mercadoria e que ela é propriedade dos homens, sendo submetidas a todas as vontades do mesmo.
É muito provável que os calouros vão reproduzir a atitude dos veteranos, vão promover sempre esses concursos “Miss bixete”, vão ridicularizar suas companheiras de sala e não fica restrito ai. Em suas casas, quando tiverem suas mulheres ou namoradas, vão tratá-las como mercadorias TAMBÉM! Reproduzindo SEMPRE o machismo, se colocando “em seu direito como MACHOS” e se necessário até as agridem pois elas os pertencem – segundo a lógica do patriarcado.
As Mulheres da ANECS repudiam qualquer tipo de trote machista no qual há constrangimento de calouras. Esses trotes devem ser severamente repudiados e combatidos pelo M.E, como uma pauta também essencial para o respeito e o avanço das discussões feministas junto aos demais companheir@s.

“Sendo homens e mulheres seres complementares na produção e na reprodução da vida, fatos básicos da convivência social, nenhum fenômeno há que afete a um, deixando de atingir o outro sexo.” (H. Saffioti)

Mulheres da ANECS

mulheresda anecs logo geral

Anúncios

ANECS Uberlândia aproxima movimento estudantil, movimento sem teto, e sindicato dos eletricitários

ANECS Uberlândia aproxima movimento estudantil, movimento sem teto, e sindicato dos eletricitários

Relatoria e próximas atividades do Comitê Elisson Prieto de apoio à ocupação no glória:

Esteve presente além das entidades e pessoas que compõem o comitê o Sindeletro-sindicato dos eletricitários. Avançamos nas relações sindicato dos elestricistas, movimento dos sem teto do Brasil e Movimento estudantil.

• Informes:
• Leitura da nota conjunta dos segmentos da UFU (DCE-Sintet-ADUFU) ressaltando a importância da ocupação:

Encaminhamento: A adufu sugeriu alterações, alguns membros do comitê vão na adufu esclarecer sobre a nota e finalizar a articulação para sair a nota;

• Atividade sindeletro:

– O sindieletro fará uma atividade de debate sobre a importância e funcionamento do setor elétrico, bem como suas condições de trabalho e sua luta, na quinta 9 hrs da manhã, no estacionamento externo do CRIU (Campo regional integrado de Uberlândia).
– O sindeletro esteve presente e vai integrar a luta pela moradia.

• Ocupação glória e grupo de formação:

– Os universitários, e demais interessados, integraram um grupo para pensar a formação dos ocupantes do glória; o objetivo é ajudar no entendimento da condição social atual no mundo.
-> Inicialmente o grupo de formação vai até a ocupação na reunião do próximo domingo que acontecerá às 16 hrs.

• Próximas atividades do comitê:

– Reunião próxima terça (27.11) 19 hrs no CC-santa mônica;
– Reunião do grupo para pensar formação no glória, próxima terça (27.11) 20 hrs no CC-santa Mônica;

• Informações:
1) Endereço da atividade sindeletro: criu/Cemig, Av. cel josé Teófilo carneiro, 2777 – distrito industrial.
2) Como chegar à ocupação: da tubal vilela/terminal central pegar ônibus 909; do terminal santa luzia 127 ou 126; fica no final do são Jorge, as ruas do são Jorge quase todas acabam na ocupação, perguntar aos moradores onde é a ocupação se necessário.

Contra o fechamento do curso de licenciatura em ciências sociais do IFTM

A ANECS repudia o fechamento do curso por ação do IFTM e do MEC!Precisamos de mais e não de menos cursos.Nossa apoio aos companheios e companheiras do Instituto Federal do Triângulo Mineiro e ao CA Florestan Fernandes que os representa!

“NOTA OFICIAL C.A. “FLORESTAN FERNANDES”

O Centro Acadêmico “Florestan Fernandes”, do curso de Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais do Instituto Federal do Triângulo Mineiro Campus Uberaba, vem manifestar-se sobre a informação do fechamento do curso.
Após alguns alunos detectarem no sítio do IFTM que o curso de Licenciatura em Ciências Sociais não estava entre os oferecidos pela instituição no processo vestibular de 2013, o coordenador Wagner Jacinto de Oliveira foi questionado e no dia 17 de Setembro de 2012, em reunião com os alunos no auditório da Unidade I, justificou o fechamento do mesmo face a ingerências da SETEC (Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica) do Ministério da Educação. De acordo com o coordenador Wagner, a SETEC justificou o fechamento do curso sob o argumento do mesmo não constar em seu catálogo de oferta de cursos. Além disso, as Ciências Sociais, como curso da área de humanas, não está entre as prioridades dos Institutos Federais, que cujo foco seria educação profissional e tecnológica.

Os alunos do curso de Ciências Sociais, em reuniões e assembleias, resolveram se mobilizar e trabalhar pela manutenção do curso de Licenciatura em Ciências Sociais no IFTM, e fazem pelos motivos abaixo elencados:
• Os Institutos Federais possuem autonomia para abertura e fechamento de cursos. Além disso, é premissa para sua existência o oferecimento de cursos de licenciatura, de acordo com a Lei n° 11.892, de 29 de dezembro de 2008.
• A política pública educacional do governo federal prioriza os cursos de formação de professores. Reiteradas inserções na mídia vem dando destaque ao fato de que o governo federal até paga a um estudante que queira cursar uma licenciatura e dar aulas em escolas públicas. Logo, não se justifica o fechamento de um curso de licenciatura numa instituição federal de ensino.
• Não existe justificativa pautada na falta de demanda na formação de professores habilitados em Ciências Sociais. A disciplina de Sociologia tornou-se obrigatória no ensino médio de todo o país, e não existem profissionais formados na área capazes de atender todas as escolas. Em Uberaba, a disciplina vem sendo ministrada por professores habilitados em história, geografia, letras, direito e outros, totalmente alheios à formação das Ciências Sociais. Além disso, a Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 1446/11, do deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), que estabelece a competência exclusiva para o ensino da Sociologia aos licenciados em Sociologia, Sociologia Política ou Ciências Sociais, ampliando ainda mais a necessidade de licenciados.
• O investimento para a criação de um curso de graduação numa instituição federal de ensino como o IFTM é alto. Foram gastos recursos públicos, houve um alto investimento humano (alunos, professores) para a implantação e funcionamento do curso de Ciências Sociais. O fechamento do curso, sem nenhum argumento sólido capaz de justificar a adoção de tal medida é, no mínimo, malversação do dinheiro público.
• O curso de licenciatura em Ciências Sociais do IFTM (campus Uberaba) já formou duas turmas. Todos os alunos que prestaram o último concurso público do estado de Minas Gerais para professor de Sociologia foram aprovados, obtendo inclusive a primeira colocação no concurso. Além disso, diversos licenciados em CS pelo IFTM já estão nas salas de aula das escolas estaduais de Uberaba, como professores de Sociologia designados.
• Atualmente, o curso conta com 38 bolsas do PIBID (Projeto Institucional de Iniciação à Docência) ligado a CAPES, bolsas do PIBIC (Projeto Institucional de Iniciação Científica), publicações científicas de alunos, participação em congressos e encontros, premiações e projetos de extensão em fase de implantação, com investimento pessoal de alunos e professores.
A medida extrema de fechamento do curso de Ciências Sociais pelo IFTM Campus Uberaba foi tomada sem qualquer discussão com a comunidade acadêmica (alunos, professores) e a comunidade uberabense. O Instituto Federal do Triângulo Mineiro é uma instituição pública de ensino, e como tal deve prestar contas de suas ações à comunidade. Medidas de gabinete e decisões tomadas a portas fechadas por poucos (ou um só) não podem ser admitidas no estado democrático de direito. O IFTM não é uma instituição particular, onde as decisões são tomadas pelos donos do dinheiro sem qualquer discussão, e o fechamento do curso de Ciências Sociais ou de qualquer outro não pode ser decisão de bastidores nem prerrogativa de uma caneta apenas!

VAMOS À LUTA CONTRA O FECHAMENTO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO IFTM. É momento de deixarmos de lado nossos projetos individuais e o espaço privado, e lutar pela instauração de um verdadeiro espaço de política, que é público, no sentido empregado por Hanah Arendt. O IFTM é a casa dos brasileiros que trabalham diariamente e contribuem para os milhões que são repassados anualmente, e têm direito a EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA E DE QUALIDADE PARA TOD@S.

Uberaba(MG), 27 de Setembro de 2012″

%d blogueiros gostam disto: